quinta-feira, 21 de junho de 2012

Edição 553 do CONTATO


Seguem alguns tira-gostos
Copos, apelações e mentiras
A campanha eleitoral sequer começou mas já podem ser observados episódios reveladores sobre pré-candidatos e até reações descabidas de formadores de opinião que não admitem contestações

Anthero Jr. apela e mente
            Parece que o prefeito Roberto Peixoto fez escola. Na quarta-feira, 20, Anthero Mendes Júnior, ex-secretário de Negócios Jurídicos da prefeitura e pré-candidato a prefeito pelo PMDB, foi entrevistado ao vivo por conhecido repórter da Rádio Difusora sobre as eleições de outubro. Ao seu lado, o ex-deputado Ary Kara e cacique regional do PMDB a tudo ouvia.

Anthero Jr. apela e mente 2
            Anthero Jr está sendo pressionado pela direção do seu partido a apresentar legendas para coligar com o PMDB. Lá pelas tantas, o ex-secretário afirma que havia convidado Mário Ortiz (PSD) para ser seu vice e que o ex-prefeito havia aceitado. Consultado, Mário confirmou a declaração de Anthero e esboçou um sorriso de leste a oeste: “Esse moço não sabe o que fala. Mal o conheço. Cruzei poucas vezes com ele”.

Anthero Jr. apela e mente 3
            O fato é emblemático por uma simples razão: o mesmo Anthero fez essa declaração depois de ter convidado pessoalmente Mário Ortiz e ter recebido um enorme, porém educadíssimo “não me interessa”. Esse episódio ocorreu na casa de Mário e contou com a presença de um marqueteiro que escoltava Anthero. Lá pelas tantas, o marqueteiro interveio e confessou a existência de uma pesquisa que apontava como quase imbatível a dupla Anthero  (PMDB) + Mário (PSD).

Anthero Jr. apela e mente 4
 Curioso, Mário Ortiz pediu que o marqueteiro lhe mostrasse a pesquisa para que pudesse avaliar o que ouvira. “Adivinha qual foi a resposta?”, pergunta Tia Anastácia de forma debochada. E completou: “Ganha uma Ferrari quem errar!!”

Um comentário:

Anônimo disse...

De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.