terça-feira, 16 de agosto de 2011

Polícia Federal no aterro sanitário

Imagens exclusivas do atuação da Polícia Federal no aterro sanitário do município de Taubaté. Os policiais checam a informação de que teria sido enterrado no local cerca de 2 milhões de unidades de medicamentos estragados. Ninguém sabe ao certo como os remédios estragaram no depósito do Palácio Bom Conselho. Existe a suspeita de que o município comprou medicamentos excedentes com o objetivo de elevar o valor do contrato com a empresa Home Care. Segundo apurou o Ministério Público de Taubaté, o valor da propina aos palacianos correspondia a 10% do valor do contrato com a empresa.

Durante o depoimento prestado à CEI (Comissão Especial de Inquérito) da ACERT, na Câmara Municipal, o motorista da Prefeitura de Taubaté confirmou que levou os medicamentos para serem incinerados na FURP (Fundação para Remédio Popular) dentro de um caminhão baú da Secretaria de Educação. Após a FURP se recusar a incinerar os remédios, por uma série de irregularidades, como a forma que o material foi transportada, o motorista deixou os medicamentos no sexto andar do prédio da CTI, onde funciona a Secretaria de Desenvolvimento Social. À época do fato relatado pelo motorista, a primeira-dama Luciana Peixoto respondia oficialmente pelo setor Social da Prefeitura.

Já o Secretário de Saúde, Pedro Henrique Silveira, em duas oportunidades, faltou com a verdade em seus depoimentos à Câmara Municipal. Silveira disse que os remédios foram incinerados pela empresa ATT Ambiental, mas a firma negou ter prestado serviços de incineração à Prefeitura de Taubaté. Fotos Marcos Limão   

  



Viatura da PF entra no aterro





À esquerda, máquina escava o lugar onde pode estar os remédios estragados





Um comentário:

Anônimo disse...

2HORAS PARA QUEBRAR A TAMPA DO ESGOTO E AGORA VÃO QUEBRAR TAMBÉM !