sábado, 28 de maio de 2011

Sexo e Poder

Confira a entrevista feita pela revista alemã Der Spiegel com o sócio-biólogo holandês Johan Van der Dennen sobre a relação entre sexo e poder. "Homens de poder têm libido hiperativa".

Pergunta: Pessoas em posição de poder fazem sexo com as secretárias; atacam camareiras de hotel ou pelo menos são acusadas disso, e dormem com a babá. Há uma percentagem maior de pessoas hiper-sexualizadas entre os homens poderosos ou é simplesmente mais fácil ficar sabendo de seus lapsos porque são tão visíveis?
Van der Dennen: Os dois podem ser verdade. Homens de poder têm uma libido hiperativa se comparados com homens “normais”, mas também estão mais dispostos a apostar que não vão ter problemas por suas atividades sexuais em qualquer lugar e tempo. O poder é um grande afrodisíaco, como diria Kissinger. Homens poderosos quase automaticamente esperam que outras pessoas atendam às suas demandas. O sexo é apenas parte desse jogo. Mulheres poderosas também têm apetite sexual maior do que a média.

Pergunta: Será que Clinton, Berlusconi, Strauss-Kahn e Schwarzenegger fariam o mesmo se não estivessem em posição de poder? Ou será que o próprio poder leva as pessoas a fazerem tais coisas?
Van der Dennen: Indubitavelmente, os homens que eventualmente atingem posições de poder têm fortes ambições nesta direção e de fato certa irresponsabilidade ou falta de escrúpulos. Mas, na minha opinião, é a própria posição de poder que deixa os homens arrogantes, narcisistas, egocêntricos, paranoicos, despóticos, hiper-sexuais e querendo cada vez mais poder, apesar de haver exceções a esta regra. Homens poderosos em geral têm um olhar atento para a beleza e atração feminina, e as mulheres, em geral, são atraídas por homens poderosos, de sucesso, famosos e ricos. Toda mulher “disposta” confirma o poder do homem poderoso.

Pergunta: O que acontece com a empatia, o cuidado e, sobretudo, com a razão na cabeça dessas pessoas?
Van der Dennen: O sexo e o intenso desejo sexual masculino já existiam nesta terra milhões de anos antes de os humanos evoluírem algum sentido de razão e sensibilidade. Todo ato sexual envolve alguma regressão, na qual a empatia, a razão etc. são temporariamente suspensas. Isso é válido, acho eu, não apenas para os homens de poder.
Pergunta: O psicólogo Satoshi Kanazawa da Universidade de Canterbury, descobriu que homens de sucesso fazem sexo com maior frequência e com mais parceiros. Será que é um comportamento evolucionário adaptativo?
Van der Dennen: Não apenas Kanazawa, mas dezenas de outros estudos encontraram esta relação. Uma análise evolucionária interessante do elo entre sexo, poder e poligamia foi apresentado em 1986 por Laura Betzig em seu livro “Despotism and Differential Reproduction: A Darwinian View of History” (em tradução livre, “despotismo e a reprodução diferencial: uma visão darwiniana da história”). Com entusiasmo desenfreado, machos poderosos usaram seu poder em serviço do sucesso reprodutivo.

Pergunta: O que o senhor acha que esses homens precisam pensar sobre si mesmos no momento em que estão prestes a fazer sexo “proibido”?
Van der Dennen: Não é especulativo demais pensar que os homens de poder vivem em um mundo por demais sexualizado e erotizado. Não apenas eles esperam ter sexo toda vez que sentem vontade, mas também esperam que as mulheres estejam sempre dispostas a fornecer esse serviço e gostar. Eles são completamente egocêntricos e oportunistas e simplesmente pegam aquilo que querem. Provavelmente, é uma surpresa total quando alguém não obedece. A proibição e a estranheza da transgressão tornam o sexo ainda mais atraente.

Pergunta: O senhor não quer dizer que todo mundo que sobe ao topo está em risco de se tornar um estuprador?
Van der Dennen: Não necessariamente. A maior parte dos homens de poder não precisa forçar o ato sexual, porque têm sexo consensual com muito mais frequência do que seus irmãos menos afortunados. O que não exclui a possibilidade de alguns homens de poder o fazerem pela “aventura”, ou para ver como conseguem se safar. Virtualmente todos os estudos de estupro mostram que os estupradores são homens jovens, sem poder e desacreditados.

Pergunta: O que é necessário para se sentir poderoso: o status social basta? Ou é preciso ter dinheiro também? Fama?
Van der Dennen: O poder é como se fosse onívoro. O poder tende a se correlacionar com a saúde e fama e sucesso e com acesso sexual a parceiros mais numerosos e variados. A única coisa que é realmente necessária para você se sentir poderoso é submissão do outro.

Pergunta: O que mais o poder faz com as pessoas?
Van der Dennen: Essencialmente, o poder corrompe, com o perdão do clichê.

Tradução: Deborah Weinberg


Um comentário:

Anônimo disse...

Com poder ou sem poder, com dinheiro ou sem dinheiro seria muito próprio para o Estado as seguintes medidas, levando em consideração que a pena de estupro se não me engano é igual a pena de roubo.Mais barato para o Estado e faria tantos os grandes como os pequenos pensassem com a cabeça de baixo. Segue:
A CONDENAÇÃO DO CABRA MANOEL DUDA PELO CRIME DE ESTUPRO.




Apenas uma sugestão ao Ministério da Justiça: Para crimes de hoje penas de ontem.
Abaixo, Sentença constante em documento do Império do Brasil datado de de15.10.1833, da Comarca de Porto da Folha, Província de Alagoas, fazendo condenar por crime de estupro o cidadão Manoel Duda. Assim, seria de bom alvitre que outras acusações neste século, sejam elas mais brandas ou mais criminosas e nas diversas áreas de nossa sociedade as Autoridades constituídas usassem o método então folclórico , eficiente, disciplinador e de baixo custo.
Somente a título de curiosidade transcrevo sentença constante em documento do império do Brasil de l5.l0.l833, da Comarca de Porto da Folha -Província de Alagoas, fazendo condenar por crime de estupro, conforme segue:
SENTENÇA

SUMULA: “ COMETE PECADO MORTAL O INDIVIDUO QUE CONFESSA EM PÚBLICO SUAS PATHIFARIAS SEUS DEBOCHES E FAZ COÇAS DE SUAS VITIMAS, DESEJANDO A MULHER DO PRÓXIMO, PARA ÊLLE FAZER SUAS CHUMBREGANCEAS...”

“ ...CONSIDERO, que o Cabra Manoel Duda, agredio a mulher do Xico Bento, por quem roia a brocha, para conxambar com ela, coisas que só o marido dela competia conxambar, pois são casados no regime da Santa Madre Egreja Católica e Apostólica Romana;
CONSIDERO, que o Cabra Manoel Duda, deitou a paciente no chão e quando ia começar as suas conxambanças, viu todas as encomendas dela, coisas que só o marido tinha o direito de ver;
CONSIDERO, que o Cabra Manoel Duda é um suplicante debouxado que nunca soube respeitar as famílias de suas vizinhas tanto que quis também conxambanças com Quitéria e Clarinha que são moças donzelas. Não conseguio porque elas repugnaram e deram aviso à policia;
CONSIDERO, que o Cabra Manoel Duda é um sujeito sem vergonha e que não nega sua confessas deboxanças e ainda faz isgonadas encomendas de suas vitimas, E, por tudo isso e do mais que dos autos consta, deve ser botado no regime deste julgo’
POSTO QUE: “CONDENO, como de fato condenado tenho, o Cabra Manoel Duda, pelo malefício que fez a mulher do Xico Bento, e por tentativa de mais outros malefícios iguais, a SER CAPADO, capadura essa que será feita A GARROTE, com embira encebada e a MACETE.
A execução pública desta dita pena, será feita na Praça da Câmara, desta Vila de Porto de Folha. A Capança começa as seis da manhã, garroteando a perigosa arma do Cabra Manoel Duda, até o dito sacco arrouxear. Depois, será macetado com macete lento, até murchar. Mulher não pode ver a capação. Os meninos machos da escola, vão com o servente, para não vexar a professora. Nomeio carrasco o carcereiro, que feita e consumada a capação, e, conferida se faz efeito depois de trinta dias, o mesmo carcereiro solte o dito Cabra Manoel Duda, que vá na paz de Deus Nosso Senhor.”
“O nosso Prior aconselha”:

“Homine deboxado eboxatus mulherorum invocabus est, sententias quibus est macete macetotorum carracus sine facto nostre negare pete.”

“CUMPRA-SE E APREGOE-SE EDITAES NOS LUGARES PÚBLICOS, LEIA O MEIRINHO E A PROFESSORA NA ESCOLA PARA DE EXEMPLO SERVIR.”

“Assinatura do Juiz Municipal- suplente em exercício.”