sexta-feira, 5 de março de 2010

Reitora, bye, bye

Pílulas da versão impressa do Jornal CONTATO já nas bancas

Insensibilidade crônica 1

A reitora da Unitau não consegue dar uma dentro. Outrora, ela não engolia o hoje médico Glauco Callia que tem se revelado na prestação de serviço voluntário na Amazônia, em São Luís do Paraitinga ou no Vale do Ribeira. Diante da visibilidade de seu trabalho profissional, a reitora deixou de criticá-lo. Mas elegeu o formando Harold Maluf, amigo e companheiro de Callia, como seu desafeto.

Insensibilidade crônica 2

Recentemente, Harold e mais três colegas se apresentaram como voluntários à Cruz Vermelha para atender os ribeirinhos do pobre Vale do Ribeira, ameaçados por doenças e outros males decorrentes das impiedosas chuvas que castigaram a Região no fim de janeiro e começo de fevereiro. Porém, o departamento de Medicina enviou aos quatro alunos um memorando informando sobre possíveis punições decorrentes daquela iniciativa humanitária. O documento foi assinado pelo chefe de departamento. “Que falta de semancol!!” protesta Tia Anastácia.

Insensibilidade crônica 3

Tia Anastácia quer saber quando é que a instituição vai se comprometer com os problemas sociais e comunitários. Questionando essa postura, um professor que atuou no atendimento às vítimas da enchente em São Luís do Paraitinga afirma que não viu ninguém da universidade acompanhando os trabalhos, muito menos prestando qualquer tipo de ajuda.

Insensibilidade crônica 4

Tia Anastácia, ao contrário da reitora, ficou ainda mais sensibilizada quando soube que alunos de medicina, entre eles o Heitor Ettori e o médico Glauco Callia, também atuaram em São Luís do Paraitinga pela mesma Cruz Vermelha.

2 comentários:

Luiz Carlos disse...

Perseguição é só o que a infeliz Reitora sabe fazer com maestria. Aconselhada por seu fiel e fofoqueiro colega de almoço, a bichona enrustida Oficial Puxa-Saco, a infeliz só sabe fazer correções de erros ortográficos das infelizes comunicações que lhes chegam às mãos e encetar sórdidos planos de aniquilação de supostas ameaças. Só podia dar no deu e no que está dando. Um mar de merda onde todos chafurdam, se atolam e se afogam.
Acredito que essa moça deveria ficar para a história de Taubaté, histórica de desalento e de desequilíbrio. Deveriam nossos Edis revogarem o Título de Cidadania a ela concedido. Ela fez e faz por merecer essa histórica desonra.
Quem é que aguenta mais os seus desatinos?
Fora Lucila!!

Marcelo disse...

Essa reitora é muito burra mesmo.