sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

LULA FOGE DO MENSALÃO

Há 3 meses presidente não abre o bico sobre mensalão. Uma "tentativa de golpe", segundo afirmam os petralhas reunidos em Brasília para realizar seu quarto congresso. Mas a Justiça parece que ainda não esqueceu o escândalo. O STF reenviou ao presidente as 33 questões do Ministério Público sobre processo, que dormem nos escaninhos da Casa Civil desde novembro de 2009.

As questões foram elaboradas pelo Ministério Público Federal, que é o autor do processo em andamento no STF sobre a suposta compra de apoio de partidos e políticos pelo PT entre 2002 e 2005.

A demora de Lula em responder as questões, o ministro do STF Joaquim Barbosa, relator do processo, reenviou-as ao presidente na sexta-feira, 5. Se não apresentar seu testemunho por escrito, Lula pode responder pelo crime de desobediência à ordem legal.

A Folha de São Paulo teve acesso ao questionário e conta que ele possui 33 tópicos, alguns deles com várias questões sobre um mesmo fato.
Em um dos tópicos mais incisivos, o Ministério Público Federal perguntou quando Lula "teve conhecimento do repasse de recursos pelo PT para partidos político da base aliada do governo federal".

No documento, a Procuradoria indagou também se, antes da surgimento do escândalo do mensalão na imprensa, Lula conversou sobre o assunto com os petistas José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoino, João Paulo Cunha e Sílvio Pereira, que exerciam cargos de direção no governo ou no partido quando o escândalo veio a público.

A Procuradoria também questionou se Lula conhece pessoalmente o publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza, o suposto operador do mensalão, e se Valério já foi recebido pelo presidente na residência oficial da Granja do Torto. O Ministério Público chega a perguntar, no caso de uma resposta afirmativa sobre o contato entre os dois: "Marcos Valério foi apresentado como profissional de qual área?"

O presidente é indagado sobre repasses do PT ao PL na campanha de 2002, que teriam sido negociadas com o deputado federal Valdemar Costa Neto (SP), e sobre débitos com o publicitário Duda Mendonça -ambos são réus na ação do mensalão. A Procuradoria questiona se Delúbio Soares já "agendou ou intermediou reuniões de empresas" com Lula.

Um comentário:

Anônimo disse...

Gosto bastante desse jornal.
Aliás, gostava.
Depois que começaram a usar esses termos pejorativo o jornal perteu toda credibilidade e imparcialidade.
Não tem como dar crédito ao meio de comunicação imparcial.
Basta saber se na questão do mensalão do DEM irão usar da mesma medida.
Afinal o DEMO nunca foi flor que se cheire, quem apoiou a ditadura também não merece credibilidade.
Não é necessário se rebaixa a tal ponto, que chega a ser ridiculo o papel desse jornal que eu tanto gostava.
Aos responsáveis por toda essa forma de desinforma só lamentos.