segunda-feira, 25 de maio de 2009

PT X Valeparaibano

Abaixo, a íntegra da nota divulgada pelo Partido dos Trabalhadores de Taubaté, na sexta-feira, 22, sobre uma reportagem publicada na quinta-feira, 21, pelo Jornal Valeparaibano a respeito da convocação da vice-prefeita Vera Saba (PT) para depor no processo que investiga crimes eleitorais que teriam sido praticados pelo prefeito reeleito Roberto Peixoto (PMDB):

"O Partido dos Trabalhadores de Taubaté vem por meio desta nota manifestar seu repúdio à matéria veiculada pelo jornal Vale Paraibano na última quinta-feira dia 21.

No texto, que teve inclusive chamada de capa, o Jornal afirma que o juiz que investiga o suposto esquema de "caixa 2" na campanha de Roberto Peixoto em 2008 ouvirá depoimento do PT, quando quem foi intimada a depor foi a Vice-prefeita Vera Saba e não o partido.

Outro ponto lamentável da matéria foi a distorção da fala da Vice, onde apenas fragmentos de sua fala foram usados, criando-se uma nova declaração totalmente diferente da real. A edição deu a entender que o teor do depoimento da Vice depende de conversa prévia com Prefeito, o que é totalmente absurdo e inverídico.

Com essas atitudes, o Valeparaibano mostra mais uma vez que não tem compromisso com a verdade e não faz jus a seu papel de instrumento de comunicação e informação isenta de interesses políticos.

O jornal usa de sensacionalismo em suas manchetes e um texto pejorativo contra a imagem do PT, dando enfoque errado, como se o PT tivesse envolvido com "caixa 2".

Primeiro o jornal "vende" o PT e depois deixa a entender que a Vice foi comprada, passando ao leitor uma imagem errada do processo político que se instalou em Taubaté, onde o PT e a Vice foram excluídos da participação na Prefeitura e do Comando da Campanha de reeleição do Prefeito Peixoto.

É importante ressaltar que a Vice-prefeita Vera Saba foi convocada a depor por ter sido eleita pelo povo, junto com Peixoto, ou seja, ela também tem o direito e o dever de se defender, uma vez que faz parte da coligação que está sendo acusada.

É válido reafirmar que Vera Saba não teve nenhum papel de coordenação durante a campanha, mas foi uma candidata atuante nas ruas, falando diretamente com a população.

O que Taubaté precisa é de uma imprensa isenta, que informe e faça uma comunicação com objetivo de democratizar a sociedade e não de criar falsas idéias com intuito de direcionar a opinião da população.

Executiva do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Taubaté"

terça-feira, 19 de maio de 2009

Problema habitacional em Taubaté

Recebemos o texto reproduzido abaixo, de autoria do munícipe Gabriel Hilário.

Taubaté: habitação e os movimentos sociais

A questão habitacional em Taubaté apresentou, nos últimos meses, uma de suas dimensões: a desvinculação entre o poder público e os movimentos sociais. Falo isso tendo em vista o aparecimento de, pelo menos, três casos exemplares, verdadeiras fraturas no tecido social da cidade. Foram levadas a público as demandas dos moradores do Conjunto Residencial Tancredo Neves, do Ipanema Ville e de agricultores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

No primeiro caso, um loteamento foi construído onde antes havia um aterro sanitário, o que vem gerar, agora, problemas na estrutura das casas. No segundo, trata-se de uma ocupação de reivindicação do uso social da propriedade, conforme os preceitos constitucionais brasileiros. A ocupação do MST visa, assim como todas as ocupações realizadas por esse Movimento, a aceleração do processo de reforma agrária, uma das inúmeras dívidas do Estado brasileiro para com a população mais pobre.

O que revelam esses casos? Esses casos demonstram que as administrações públicas, sejam elas federais, estaduais ou municipais têm se valido da construção habitacional sem verdadeiro comprometimento para com as demandas dos diversos agentes sociais. O que é pior, agentes ligados diretamente à questão da habitação e das necessárias reformas agrária e urbana. Qualquer pessoa sabe da importância política dos órgãos públicos ligados à habitação e dos inúmeros casos em que estes foram utilizados como trampolim eleitoral.

Não se trata de culpar esta ou aquela administração em específico, mas de denunciar, aqui, a manutenção da mesma lógica pelas diversas administrações ao longo da história. Basta lembrar que, no caso do Conjunto Residencial Tancredo Neves, o loteamento data de mais vinte anos. Esse caso é uma clara demonstração do uso populista da habitação pela administração pública. Os pobres, a quem são destinados loteamentos desse tipo, têm que contentar-se com casas construídas sobre lixões. A propaganda fica, assim, garantida, sem que os problemas futuros sejam notados.

É necessário, portanto, uma mudança na maneira de se fazer política habitacional. Ignorar a representatividade e tentar criminalizar os movimentos sociais de reivindicação é atitude autoritária e demonstra a opção ideológica que os governos fazem. Realizar mega-sorteios de casas, valendo-se desses momentos como palanque é aproveitar-se da necessidade da população mais carente. É caminhar para o passado. Não precisamos de novas versões dos currais eleitorais.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Memórias do Holocausto

Amanhã, quarta-feira, 6 de maio, às 15h20min, a Câmara Municipal realizará homenagem ao "Término da Segunda Guerra Mundial - Vitória da Força Expedicionária Brasileira" e em "Reverência à Memória das Vítimas do Holocausto", que será realizada no Expediente da 14ª Sessão Ordinária. 
Para a celebração terão a palavra os senhores Cap. Benedito Antunes de Andrade, ex-combatente, e Arie Yaari, sobrevivente do Holocausto. A saudação oficial será feita pelo Vereador Chico Saad.